A aprovação pública de Joe Biden, o actual presidente dos EUA, caiu para uma nota muito baixa, a mais baixa desde que ele começou a sua administração.

Polls conduzidas pela agência Reuters indicam que os cidadãos são mais críticos do que antes devido a decisões tomadas pelo governo no meio da pandemia de covid-19.

A pesquisa nacional foi realizada há poucos dias e constatou que 45% dos cidadãos idosos aprovam o desempenho do presidente, mas mais relevante é o número de desaprovações, que beira os 50%, disse a agência noticiosa.

Estranhamente, muito poucas pessoas declararam não ter nem opiniões positivas nem negativas, o clássico “não sei/não responde”.

A aceitação do alto executivo dos EUA tem estado em declínio desde o mês passado, quando o governo apoiado pelos EUA no Afeganistão caiu.

Outro factor foi o crescimento das mortes causadas pelo coronavírus em todos os estados na nova onda da doença.

Vacinação e debate

Embora uma grande parte dos cidadãos apoie as medidas sobre vacinação e o uso de máscaras que o governo decretou recentemente com o objectivo de travar o contágio da estirpe Delta, certos sectores republicanos criticaram, argumentando que se trata de uma decisão exagerada da parte de Biden.

Sondagens semanais mostraram que o número de americanos que aprovam as medidas pandémicas da Casa Branca diminuiu para menos de 50%, algo que não tinha acontecido até agora: aproximadamente 49% apoiavam as restrições do governo à covid-19, e 46% desaprovaram.

Durante o ex-Presidente Donald Trump’s primeiro ano no cargo, 39% dos cidadãos tinham aprovado as suas políticas, e 57% tinham desaprovado.

A sondagem da Reuters e da empresa de consultoria Ipsos é realizada online e em inglês em todos os Estados Unidos.

A última teve respostas de 1.000 pessoas com idade legal, incluindo pouco menos de 450 Democratas e 355 Republicanos. Tem uma margem de fracasso de 4 pp.

Joe BidenPor outro lado, o presidente dos EUA anunciou esta semana um corte tarifário dirigido a 50 milhões de famílias de classe média. Ao mesmo tempo, criou-as para as pessoas mais ricas.

Da residência oficial, Biden salientou que este é um corte histórico para a classe média, mas não entrou em detalhes.

No seu discurso, ele também atacou grandes empresas e os indivíduos mais ricos, que ele disse que deveriam começar a contribuir com a sua quota-parte justa de impostos.

Nesta linha, ele disse que os Estados Unidos estão actualmente confrontados com a escolha de continuar como tem sido, onde as grandes empresas estão a beneficiar esmagadoramente do crescimento económico, ou a avançar para uma alternativa que favorece todos.

Joe Biden disse que o registo é claro: durante quatro décadas os ricos têm vindo a enriquecer e demasiadas empresas esqueceram a sua responsabilidade para com os seus empregados, as suas comunidades e os Estados Unidos.

Banda contra grandes corporações

Além disso, referiu-se ao facto de os anteriores gestores de empresas terem ganho vinte vezes mais do que os seus trabalhadores, e de hoje haver 350 vezes a diferença entre os dois rendimentos.

Disse ainda que como é possível que mais de 50 empresas americanas paguem absolutamente sem impostos federais sobre o rendimento, e que obtiveram lucros de 40 mil milhões de dólares no ano passado.

Para o governo dos EUA, o seu país está num ponto de viragem, onde as medidas podem determinar mudanças no futuro que irão durar anos e até décadas.

Finalmente, ele disse que quando se candidatou ao cargo tinha proposto mudanças e que acredita que este é o momento para que elas aconteçam: para trazer os trabalhadores de volta à economia e para mostrar aos cidadãos que o governo está a trabalhar para o seu bem, não apenas para as grandes empresas e os ricos.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here