Desenvolvedores de drogas e tecnologias que permitem novas vacinas, especialmente para combater o coronavírus, são os que mais beneficiam com esta pandemia. 

Na UE, estão actualmente em uso quatro vacinas diferentes: a americana Pfizer BioNTech, Moderna e Johnson & Johnson, e a desenvolvida pela empresa inglesa AstraZeneca.

Estas evoluções têm sido um factor chave no aumento do preço de algumas empresas desde finais de 2020 e até agora em 2021.

Além deste “verão” que os stocks farmacêuticos estão a passar, começam a surgir dúvidas quanto ao futuro deste sector após o avanço das vacinas. A questão é se estas empresas, que hoje são tão fortes, serão capazes de sustentar as suas avaliações actuais quando a pandemia terminar.

Para responder a esta pergunta, a primeira coisa a fazer é fazer uma análise comparativa do desempenho destas empresas com os dados actuais e os do último ano. Note-se especialmente que a tendência na bolsa de valores se afundou para as empresas que desenvolvem produtos farmacêuticos, o que mostraria uma maturação do plano de imunização nas principais potências. Por outro lado, temos de ver se o caminho se mantém sem demasiadas alterações.

Estoque de chumbo farmacêutico: 2021 vs 2020

Pode pegar no valor total da bolsa de 2020 e compará-lo com o ano corrente para analisar se os números correspondem.

American Moderna, por exemplo, foi instituída como a empresa que mais se destaca após o seu avanço em mais de 199 por cento em Wall Street.

Moderna stocksNa Pfizer side, conseguiu um ganho de quase 25 por cento; e Johnson & Johnson avançou apenas 15 por cento.

AstraZeneca com base no Reino Unido, em contraste com o acima referido, perdeu 2%.

Os dados actuais, extrapolando os resultados de cada mês, estão a marcar uma tendência semelhante à do ano passado, mas mais modesta. Precisamente, Moderna acrescentou quase 40% em Junho, Johnson & Johnson está acima dos 5%, Pfizer está acima dos 3% e AstraZeneca está a perder pouco menos de 2%.

Moderna e a perspectiva

A impressão actual é semelhante à que foi vista em 2020. Os analistas estão a antecipar que o bom momentum das quotas das empresas de desenvolvimento de produtos farmacêuticos no mercado, por enquanto, não vai acabar. 

As empresas financeiras, tais como RBC Capital Markets, notaram que as posições em alta nestes mercados ainda serão mantidas, mas dependerá se mais doses de vacinas serão necessárias mais tarde.

Notem que empresas como a Pfizer e a Moderna lideraram o comércio de imunização nos principais mercados de energia e os seus balanços foram recompensados. Contudo, precisam que todo o processo seja confirmado e que as novas doses sejam aplicadas, com o objectivo de continuar aquelas dinâmicas vantajosas para os stocks farmacêuticos.

Esta é uma situação que favoreceria mais as duas empresas que se estão a consolidar como as que mais vacinas produzem e que são as mais exigidas pelas autoridades governamentais dos diferentes países: Pfizer e Moderna. 

Há sinais disto desde que Moderna desde este mês está associada à listagem exclusiva de acções que estão listadas no S & P 500, o índice mais relevante em Wall Street. 

Embora o último aumento no valor das acções do Moderna seja relevante para os investidores, Mike Yee do banco de investimento Jefferies Group LLC de Nova Iorque observou que o preço das acções do fabricante de medicamentos ultrapassou a marca dos 100 mil milhões de dólares, mas não tem a certeza de que esta situação se mantenha, pelo menos ao mesmo ritmo.

O analista acrescentou que Moderna poderia continuar o seu crescimento no mercado, embora a um ritmo mais lento do que tem vindo a fazer até agora.

Disse também que a firma espera vendas entre 205 milhões e 260 milhões de doses do seu principal produto, o RNAm/1273 nos próximos três meses, que é no ponto médio da sua orientação (localizado a 225 milhões)e espera-se que gere mais de 4 mil milhões de dólares.

Em relação ao próximo ano, o perito advertiu que o que poderia complicar as coisas é que poderia haver um excesso de stock, embora até agora, os EUA tenham recebido encomendas, uma vez que a vacina é uma questão puramente política.

Além de Moderna, Pfizer

Algo semelhante está a acontecer com acções Pfizer. O consenso projecta ganhos de quase 75 mil milhões de dólares para o maior laboratório do mundo, cerca de 58% acima de 2020.

Pfizer vacine
Os especialistas indicaram que nas análises recentemente realizadas, reflecte-se que haverá mudanças no mercado para que se possa considerar que haverá modificações positivas no valor dos papéis da Pfizer a partir do optimismo sobre as perspectivas comerciais da empresa. Da mesma forma, entende-se que será com uma tendência mais moderada, num modo mais suave.

Prospects for 2022

Futuras realizações das acções dos laboratórios estão relacionadas com o armazenamento que vai acontecer tendo em mente o próximo ano. Esta é a chave para tudo.

O especialista da Jefferies Group LLC disse que acredita que as encomendas para fazer stock vão acontecer e que as empresas devem preparar-se para isso.

Para os Laboratórios AstraZeneca e Johnson & Johnson, entretanto, a perspectiva é um pouco diferente, os analistas vêem-na. 

AstraZenecaIsto porque as suas vacinas não são tidas em conta pelos países da UE, embora venham a ser importantes para mercados menos desenvolvidos, como a América Latina.

O ponto a ter em conta é que não se sabe se isto (vendas em países periféricos) é o que estas duas empresas farmacêuticas precisam para que os seus balanços melhorem. .

Canadian investment banking indicou a este respeito que estes são os laboratórios que estão a produzir a maior incerteza sobre situações futuras e a relação com as suas vacinas. Canadian investment banking indicou a este respeito que estes são os laboratórios que estão a produzir a maior incerteza sobre situações futuras e a relação com as suas vacinas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here