Nos últimos dias, o valor do alumínio subiu e o preço por tonelada atingiu u$s 3.000 na Bolsa de Metais de Londres, um valor não atingido desde 2008, devido aos cortes de produção na China e à situação política na Guiné, um país importante na produção deste metal utilizado principalmente na indústria da construção e dos transportes.

“O preço atingiu este nível elevado na quarta-feira, 15 de Setembro, devido à escassez de carvão”, comentam especialistas sobre a situação do mineral utilizado como fonte de energia.

“Provavelmente a falta de carvão na China irá aumentar ao longo do 4º trimestre, devido ao Inverno e às baixas temperaturas. Esta situação continuaria a aumentar o preço do alumínio”, acrescentaram.

O governo chinês pediu às fundições que reduzissem a produção a fim de reduzir o consumo de electricidade, embora os projectos de investimento em infra-estruturas estatais estejam a impulsionar a procura.

“Os riscos políticos estão a apoiar-se fortemente no alumínio proveniente da China e também da Europa”, dizem os peritos da banca de investimento e da empresa de títulos Goldman Sachs num relatório.

Avisam que outra razão para o aumento do preço do alumínio é o valor da electricidade e também os impostos cobrados sobre o carvão na união Europeia.

Por outro lado, a procura deste metal também aumentou à medida que o consumo aumentou na pós-pandemia, tal como o consumo de outros metais e matérias-primas.

Além disso, existem outras razões que fizeram subir o preço do alumínio, tais como greves num produtor canadiano e incêndios que afectaram a produção numa fundição na Jamaica, segundo Daniel Briesemann, um perito do banco alemão Commerzbank.

aluminium
Um ano em preços de alumínio. Investindo

Guinea é também culpada

A situação política preocupante na Guiné, um dos principais produtores mundiais de bauxite, chave para a produção de alumínio, cria alguma agitação no mercado, no entanto, “a produção e o desempenho das exportações continuam da mesma forma por enquanto e o medo pode ser exagerado”, diz Commerzbank.

Esta actividade representou cerca de 15% do Produto Interno Bruto (PIB) de 2020 e cerca de 80% das exportações da Guiné, de acordo com um relatório macroeconómico do Banco Mundial.

Guinea, um país localizado na África Oriental e lar de cerca de 13 milhões de pessoas, tem cerca de 7,4 mil milhões de toneladas de bauxite, as estimativas do U.S. Geological Survey baseadas em dados do ano passado.

Este número representa um quarto das reservas mundiais de bauxite.

Leva-se saber que são necessárias mais de quatro toneladas de bauxite para produzir uma tonelada de alumínio, que produz duas toneladas de alumina.

Muito 50% da bauxite importada pela China provém do país africano, de acordo com dados da empresa de consultoria global CRU, um valor que aumentou devido à diminuição da quantidade e qualidade das suas próprias reservas.

Após o golpe de Estado na Guiné, a junta comunicou que a produção de bauxite continuará e que os prazos e compromissos acordados com os parceiros do país serão respeitados.

Os autores do golpe informaram que se encontrarão durante a semana com políticos, civis e representantes da indústria mineira do país, a fim de estabelecer um projecto governamental.

Indústria de alumínio: os problemas só agora começaram

É praticamente impossível que os conflitos que o mercado do alumínio está a atravessar, principalmente no fornecimento de minerais essenciais para a sua produção, e que elevaram o seu preço para um nível recorde, sejam resolvidos nos próximos dias.

Esta foi comunicada pelos produtores e consumidores na maior montagem de alumínio da América do Norte, que teve lugar na semana passada.

O preço deste metal subiu quase 50% em 2021 devido ao aumento da procura, a problemas na cadeia de abastecimento e à escassez de carvão na China. Esta situação aumentou a preocupação dos produtores que utilizam o alumínio como principal insumo, uma vez que é escasso e o preço é muito elevado.

De acordo com vários intervenientes na montagem do alumínio, o problema na cadeia de abastecimento permanecerá pelo menos ao longo de 2022 e possivelmente levará cerca de 5 anos para ser resolvido.

Cadeias de abastecimento em todo o mundo, que utilizam contentores como sistema de transporte, estão a debater-se com o aumento da procura e a interrupção do trabalho causada pela pandemia.

As razões para o aumento do preço do alumínio são também a falta de trabalhadores nas fábricas de alumínio e a disponibilidade limitada dos camionistas para a distribuição de alumínio.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here